Data: Quinta-feira, 5 de Julho, às 19h
Local:
Livraria Almedina do Atrium Saldanha

Entrada livre

A 14 de Março de 1939, no seu consultório na Rua do Alecrim, em Lisboa, António Egas Moniz foi alvo de um atentado a tiro. Embora tenha sido ferido com muita gravidade, o famoso neurologista sobreviveu e, dez anos depois, veio a receber o Prémio Nobel da Medicina. Por, já nessa altura, se tratar de uma figura pública, dado o seu passado político e o seu mérito científico, os jornais nacionais fizeram ampla cobertura do caso, comparando-o com o atentado que vitimara o psiquiatra Miguel Bombarda a 3 de Outubro de 1910. A investigação criminal esclareceu os factos, mas não impediu especulações, que ficaram latentes até hoje.

Rodolfo Lavrador, advogado, atual vice-presidente do Conselho Superior da Ordem dos Advogados, é filho de um investigador incumbido da resolução deste caso. Na sessão do Café dos Direitos deste mês, na próxima quinta-feira, dia 5 de Julho, às 19h, na Livraria Almedina do Atrium Saldanha, Rodolfo Lavrador irá revelar aspetos menos conhecidos pela opinião pública das circunstâncias deste caso e da investigação de que foi objeto.

Consultar apresentação em formato PDF