EXPRESSO, 26/06/2019

Bom dia.

Não, o título deste Expresso Curto de hoje não tem nada a ver com qualquer campanha de promoção do exercício físico, embora o exercício físico seja muito importante para a prevenção de problemas de saúde – por isso faça o desporto que lhe der mais jeito, quando lhe der mais jeito, porque faz bem.

O título tem essencialmente a ver com a urgência de resolver rapidamente o mau estado do nosso sistema de saúde. Mexam-se, “forças vivas” deste país, para pôr termo à degradação evidente em curso, porque o tempo do diagnóstico já lá vai – é isto que os profissionais de saúde e os utentes estão neste momento a pedir a quem nos governa.

A insólita perspetiva de fecho rotativo das urgências de obstetrícia de quatro dos maiores hospitais de Lisboa teve ontem uma aparente solução com o anúncio da contratação de 26 médicos para esses hospitais, assim como 23 clínicos para outros da região de Lisboa. Mas será apenas um ‘penso rápido’ para uma ferida aberta há muito tempo.

É que algo está claramente mal na gestão do reino da Saúde. A situação de pré-falência de Portugal em 2011 levou a pesados cortes de custos e a muitas situações de rutura a nível material e humano, com médicos e enfermeiros esgotados a lutar contra uma máquina desgovernada. Quem testemunhou o que ali se passou podia pensar que era uma situação passageira que seria resolvida mal o país normalizasse e saísse do estado de emergência financeira. Mas aquilo a que se tem assistido é uma sucessão de notícias absurdas que atestam que não é assim – e todos teremos casos preocupantes que vivemos ou que familiares e amigos nos contaram.

bastonário da Ordem dos Médicos diz que não há nenhuma maternidade do Sul do país que “não tenha problemas” de falta de recursos humanos e que a situação é “muito mais grave e complexa” do que “tem sido dito publicamente”.

Mas por entre os alertas recentes e crescentes, o ministro das Finanças lá vem dizendo aqui e ali que nunca tivemos tantos médicos e enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde (SNS). Diz mesmo que “o SNS está melhor do que em 2015”. E o Expresso foi ver as estatísticas que confirmam que assim é. Mas, assim sendo, havendo mais médicos e enfermeiros, então os recursos estão a ser muito mal geridos, porque o serviço apresenta falhas graves. Basta falar com quem trabalha nos hospitais para perceber isso.

Terão as denúncias recentes da rutura iminente em alguns serviços, ou em alguns casos já consumada, feito soar as campainhas de alarme de quem tem o poder de decisão? É esperar para ver.

OUTRAS NOTÍCIAS

“Pela saúde da nossa Justiça, mexam-se” também podia ser o título deste Expresso Curto. Hoje são votadas na especialidade alterações ao novo estatuto do Ministério Público. Os magistrados estão contra porque dizem que a sua autonomia vai ficar em risco. E por isso começa, também hoje, uma greve de três dias do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público. O Presidente da República transmitiu ontem apoio à procuradora geral da República na autonomia do Ministério Público e no combate à corrupção. Marcelo Rebelo de Sousa disse a Lucília Gago que o combate à corrupção é uma “prioridade nacional” e que é impossível separar essa prioridade do “respeito estrito da autonomia do Ministério Público”.

Isto acontece numa altura em que Portugal voltou a fazer má figura em matéria de combate à corrupção. Desta vez quem o disse foi o Grupo de Estados Contra a Corrupção (Greco), organismo criado pelo Conselho da Europa para monitorizar a corrupção.

Acontece também à medida que a nossa Justiça vai produzindo decisões insólitas e surpreendentes. Tivemos ontem a história de dois homens que insultaram e agrediram um polícia, mas o procurador entendeu que os insultos não tinham como objetivo ofender e as agressões não tinham como objetivo lesar… e como tal o inquérito foi arquivado.

E esta terça-feira apareceu mais uma operação – a Operação Osíris – através da qual a Polícia Judiciária prendeu 14 pessoaspor suspeitas de pertencerem a uma rede organizada que, desde pelo menos 2017, se dedicava à fraude intracomunitária ao IVA na aquisição de equipamentos de telecomunicações.

Está a marcar a atualidade mais uma imagem poderosa e triste que atesta o drama de quem se lança na missão de deixar tudo para trás e tentar uma vida melhor. A foto é chocante e diz tudo: pai e filha morreram ao tentar cruzar o rio Grande, a partir do México, rumo aos Estados Unidos.

tensão entre o Irão e os EUA vai conhecendo novos episódios, com uma escalada na guerra de palavras, depois do “quase-ataque” americano contra o ‘país dos ayatollas’, que já considerou que a presidência americana está “acometida pelo atraso mental”Trump ameaçou com uma “resposta esmagadora” e falou em “aniquilação… O Expresso compilou alguns factos – sete alertas – para perceber o que está em causa.

Há muito tempo que Portugal tem o desígnio de fazer regressar os portugueses que tiveram de deixar o país à procura de melhores condições de vida. O Programa Regressar avança em julho e pressupõe um apoio de cerca de 6500 euros por família num total de 10 milhões de euros reservados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional. Este pacote de incentivos aos emigrantes ou lusodescendentes que queiram regressar pressupõe um conjunto de apoios pagos diretamente a quem iniciar a atividade laboral em Portugal continental, assim como a comparticipação das despesas da viagem e do transporte dos seus bens. Pedro Góis, investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, considera que a medida é mais simbólica do que efetiva mas não deixa de classificá-la como “um sinal importante”. 

A propósito de emigrantes, as remessas aumentaram 23,6% em abril, para 357,6 milhões de euros, mas de Angola continua a haver más notícias, com as remessas do país a caírem 59%. 

Um cadete da Escola Naval morreu ontem após desmaiar durante uma prova de corta mato realizada na Base Naval de Lisboa, em Almada, no âmbito de uma aula de educação física. O ministro da Defesa anunciou que a situação vai ser investigada.

O PCP entregou uma proposta para travar o acesso do Fisco a todos os dados das empresas, conta hoje o Negócios. O CDS concorda e o PSD admite que há desproporcionalidade na medida.

TAP voltou a ser notícia, não só porque houve enjoos e vómitos em voos operados pela companhia nos novos aviões A330, e uma das justificações possíveis para a ocorrência é a renovação insuficiente do ar dentro do avião. Mas também foi notícia porque o seu presidente do conselho de administração, Miguel Frasquilho, voltou a dar uma entrevista e tentou esvaziar o tema do pagamento de 1,17 milhões em prémios a 180 trabalhadores da TAP, feito pela comissão executiva da TAP, sem o conhecimento do acionista Estado. Diz que “foi uma falha de comunicação” que não devia acontecer mas que “já teve o destaque suficiente, mais do que suficiente”.

Os bancos continuam a dar motivos aos clientes para eles não gostarem muito deles. Depois de na segunda-feira se ter ficado a saber que a Caixa Geral de Depósitos vai cortar os juros que paganos depósitos bancários, ontem foi a vez de se saber que o BCP vai aumentar em mais de 10% as comissões associadas à requisição e entrega de cheques

água é um bem escasso mas mesmo assim continua a desperdiçar-se muita, de acordo com a Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor, as perdas de água em 258 municípios portugueses rondam os 180 milhões de metros cúbicos por ano, correspondentes a 90 milhões de euros.

PRIMEIRAS PÁGINAS

“Filhos de pais com mais estudos dominam os melhores cursos ” – Público

“Alunos pobres ficam fora de cursos com notas mais altas” – Jornal de Notícias

“BE acusa. Carlos César quer “estilhaçar” a geringonça” – I

“Função Pública sem cortes nas reformas” – Correio da Manhã

“PCP e direita juntos contra big brother fiscal nas enmpresas” – Jornal de Negócios

“Último sprint por Bruno Fernandes” – A Bola

“Dragão ao ataque” – Record

“Pinto da Costa: Plantel estará à altura” – O Jogo

O QUE EU ANDO A LER

“As mais belas árvores de Portugal” é uma edição comemorativa do 30º aniversário da Anacom – Autoridade Nacional de Comunicações que resultou numa compilação de fotos e textos sobre 20 árvores “excecionais” que podem ser vistas de norte a sul do continente português e também na Madeira e nos Açores. Lá se encontram uma alfarrobeira de Olhão, a azinheira que está no meio do santuário de Fátima ou o plátano que se destaca no centro de Portalegre.

O QUE EU ANDO A OUVIR

“Desalmadamente” é um bem sucedido regresso de Lena d’Água que tem reunido aplausos da crítica. É um disco rápido – 10 canções, 36 minutos e 33 segundos – e bem disposto, com uma primeira canção chamada Opá e a sexta – Grande Festa – a constituir um ponto alto logo com um arranque que promete – “Ainda vou ganhar o festival/com uma canção de macramé/hei-de fazer capa num jornal/a pavonear um jacaré”.

Continue a acompanhar-nos em expresso.impresa.pt. E tenha um excelente dia!