Numa altura em que se aproxima a entrega dos óscares, importa reflectir sobre filmes e outras narrativas.

Só é possível perceber um filme se ele for visto do princípio ao fim.

Quem comece a ver uma película cinco minutos antes de terminar, nunca conseguirá perceber o que se passou.

Com grande probabilidade, até pode acontecer que o espectador percepcione uma ideia precisamente contrária à mensagem que o realizador pretendeu transmitir.

Se alguém visualizar cenas isoladas de um filme, sem uma ligação entre si e sem perceber o seu contexto, também é possível que não compreenda o verdadeiro sentido daquele.

No que diz respeito à apreciação da prova, no âmbito de um processo judicial, sucede precisamente o mesmo.

Não é possível apreciarmos a legítima defesa de um indivíduo sem apreciarmos a conduta antecedente.

Só através do recurso a uma análise global dos factos poderemos fazer uma valoração correcta da prova.

Se uma pessoa começar a disparar contra outra e o indivíduo visado desferir um soco ou um pontapé para fazer cessar a agressão, não há dúvida que agiu em legítima defesa.

No entanto, se nos focarmos só na última acção, poderemos ser induzidos em erro.

Uma análise efectuada com base em visões parcelares ou descontextualizadas é sempre incorrecta, pois não permite apreender a realidade.

A utilização de factos, frases ou situações isoladas, sem que estejam devidamente enquadradas, é uma técnica utilizada muitas vezes para manipular e distorcer a verdade.

Os estados autoritários e totalitários desde sempre tentaram impor uma versão única da História, não admitindo o contraditório, nem opiniões contrárias.

Esses estados, de modo a evitarem entendimentos da realidade diversos dos seus, não se coibiram de recorrer à censura, à proibição da circulação de jornais e à instauração de processos contra aqueles que pensavam de forma diferente.

Felizmente vivemos numa democracia plena onde nada disso acontece.

________________

António Ventinhas é presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público

Sábado 2016.28.01


pdf  Descarregar Artigo