CORREIO MANHÃ – 07-08-2019
António Ventinhas, presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público

– Uma das grandes batalhas da legislatura foi as remunerações dos magistrados do Ministério Público. Ficou satisfeito com o resultado final, depois de o mesmo ter sucedido para os magistrados judiciais?

António Ventinhas – O princípio do paralelismo foi res peitado. É positivo que ambas as magistraturas sejam tratadas de forma igual.

– Foi uma batalha difícil?  

– A principal batalha prendeu-se com a alteração à composição do Conselho Superior do Ministério Público. O poder político tentou controlar o poder judicial. Essa foi a grande bandeira, muito importante em termos de investigação criminal e de combate à corrupção, obrigando à intervenção do Presidente da República e da procuradora-geral da República. É uma questão de Estado. As propostas punham em risco a autonomia do Ministério Público.

– Travão às propostas foi então uma vitória?  

– Foi uma conquista da democracia.

– E quais as expetativas para a próxima legislatura?  

– Vamos com paciência e tempo. Temos de dar espaço às eleições.