Destak/Lusa | destak@destak.pt

ACTUALIDADE
06 | 06 | 2019   – 12.55H

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) classificou hoje a alteração proposta pelo PS ao Estatuto da classe como “um ataque ao MP, à investigação criminal e ao paralelismo das magistraturas”, admitindo formas de luta, incluindo a greve.

Em declarações à agência Lusa, após tomar conhecimento da proposta do grupo parlamentar do PS sobre o Estatuto do Ministério Público, o presidente do SMMP, António Ventinhas, considerou que os deputados do “partido do Governo” deram “um tratamento diferenciado” aos magistrados do MP, quebrando a promessa da ministra da Justiça de que seria mantido o “princípio sagrado” do paralelismo das magistraturas (juízes e MP) que vigora com o regime democrático do 25 de Abril de 1974.

No entender do presidente do SMMP, a proposta do PS configura o “regresso ao Estado Novo em que o MP era uma magistratura secundarizada e menorizada” face à magistratura judicial, constituindo um “ataque ao MP, ao sistema de justiça e à investigação criminal”.