SMMP - Sindicato dos Magistrados do Ministério Público Denunciantes famosos na defesa de Rui Rinto

Denunciantes famosos na defesa de Rui Rinto

Football leaks A defesa de Rui Pinto está a ponderar arrolar como testemunhas abonatórias, na fase de julgamento, denunciantes famosos, como Edward Snowden – que revelou o programa norte-americano de vigilância em massa – e Antoine Deltour, ligado aos denominados LuxLeaks.

O hacker, assumido criador do site Football Leaks e acusado, entre outros ilícitos, de ter tentado extorquir entre 500 mil e um milhão de euros à Doyen Sports para não divulgar naquela plataforma documentos ligados àquele fundo.

A intenção foi partilhada ontem pelo advogado francês do gaiense, William Bourdon, numa conferência de imprensa, em Lisboa, destinada a defender o papel de Rui Pinto enquanto denunciante de crimes de corrupção e de branqueamento de capitais. O mandatário português do pirata informático, Francisco Teixeira da Mota, reiterou ainda que este continua disposto a colaborar com as autoridades nacionais na luta contra aqueles ilícitos.

Questionado sobre se há alguma alteração no estado dessa cooperação – uma vez que, desde que foi detido, há mais de um ano, na Hungria, o hacker se tem mantido em silêncio -, Teixeira da Mota admitiu que não pode atestar que exista e que a “vontade de colaborar” de Rui Pinto ainda não foi discutida. Só quando tal acontecer, frisou, poderá saber quais serão, a confirmar-se, os termos dessa cooperação.

Na posse da Polícia Judiciária (PJ) estão já vários discos externos apreendidos ao gaiense, de 31 anos, mas a maioria da informação está encriptada. Ontem, Bourdon não esclareceu qual será a relevância dos dados ali armazenados. Sublinhou, contudo, que tem provas de que, antes de ser preso, Rui Pinto contactou as autoridades portuguesas para partilhar informações.

“[A mensagem] já continha alguns factos e dizia: ‘sou um cidadão português e quero a ajudar o meu país a aceder a algumas redes”‘, precisou o causídico. O JN perguntou à Procuradoria- -Geral da República se há registo deste contacto e se o seu autor se identificou, mas não obteve resposta em tempo útil. A entrega de denúncias anónimas a que não terá sido dado qualquer seguimento pelo Ministério Público era já conhecida.

O pirata está acusado de 89 crimes informáticos e um de extorsão na forma tentada, este último em coautoria com Aníbal Pinto, advogado. Desde março que está em prisão preventiva.

“Não estamos preocupados se é ou não um hacker, porque os denunciantes têm sempre necessidade, para revelar os factos, de violar a lei ou as regras”, frisou Bourdon, que acredita que Rui Pinto acabará por ser absolvido (ler caixa).