Em virtude das especulações e dúvidas que se têm suscitado em relação à posição que assumiram no Plenário do Conselho Superior do Ministério Público quanto à matéria do editorial nº 63 do SMMP, Paulo Gonçalves, João Paulo Centeno e Edite Pinho vêm esclarecer que, embora não tenha havido uma votação formal da dúctil redacção do comunicado, se abstiveram quanto à temática da linguagem e apresentaram a declaração própria (junta à acta) que anexam, almejando uma cooperação institucional e diálogo mais profícuos, na senda de um necessário apaziguamento. A colaboração e flexibilidade manifestada na dialéctica da longa discussão em Conselho, sem ceder um milímetro no conteúdo objectivo que importava, permitiu evitar rupturas graves no CSMP, inclusivamente com colegas eleitos por outros distritos cuja opinião deve ser respeitada, que em nada beneficiariam o debate sério das ideias que sustentam as divergências.

Paulo Gonçalves

João Paulo Centeno

Edite Pinho