Em entrevista à Rádio Renascença e “Público” a Ministra Paula Teixeira da Cruz visou os sindicatos por, alegadamente, pretenderem garantir ordenados de quatro mil euros para “estudantes” do Centro de Estudos Judiciários e aumentos de 40%. E atribuiu as divergências à “agitação” pela aproximação de eleições e ao facto de existirem novos líderes sindicais. “As divergências nada têm a ver com a mudança de direções, mas sim com as mais recentes posições da ministra. Além dos sindicatos, também os conselhos superiores do Ministério Público e da Magistratura, a associação sindical da PI e os guardas prisionais têm proferido fortes críticas”, reage António Ventinhas sublinhando ser completamente falso que alguém tenha proposto ordenados de quatro mil euros para estudantes do CEI. “A ministra quer intoxicar a opinião pública. Um auditor de justiça recebe 1000 euros. O que se propôs foi uma alteração do índice 100 para o início da carreira e era só uma base de negociação. E nós até admitimos que os salários fossem discutidos posteriormente à aprovação dos estatutos”, acrescenta.

Jornal de Notícias, 2015.07.23


 

pdf   Descarregar Artigo